Fracasso da Petrobras será a herança maldita deixada pela PT

O balanço de 2013 da Petrobrás é a perfeita demonstração contábil de seu fracasso operacional. Ele deixa claro que, não fossem as vendas de ativos e alguns acertos contábeis, não existiria o lucro anunciado pela empresa, de R$ 23,5 bilhões – e ressalte-se que, embora o valor impressione, é o terceiro pior dos últimos sete anos. Fosse a Petrobrás uma empresa de capital aberto sujeita à fiscalização de seus acionistas como são as demais com ações negociadas no mercado, e não uma estatal estritamente controlada por um governo que a transformou em instrumento de suas políticas econômica e partidário-eleitoral, seu Conselho de Administração teria destituído a diretoria executiva. Mas a maioria decisiva do Conselho e toda a diretoria fazem apenas o que o governo Dilma lhes determina. E o que lhes é imposto vem produzindo resultados financeiros desastrosos – e o plano de negócios da empresa para os próximos cinco anos não deixa dúvidas quanto à disposição do governo de manter o atual modelo -, com prejuízos para os investidores, que ainda acreditam no potencial da empresa, e para o País.

O lucro de 2013 é maior do que o de 2012, o que pode sugerir melhora na contenção de custos e no desempenho da empresa. Sua diretoria atribuiu a aparente melhora a diversos fatores, como o aumento da produção de derivados, os reajustes nos preços do diesel (20%) e da gasolina (11%), a redução de custos, a venda de ativos e a redução do impacto da desvalorização do real (que elevou os custos dos derivados que a empresa importa em quantidades crescentes) devido à mudança de práticas contábeis.

São fatores que influenciaram os resultados contábeis do ano passado. Pode-se imaginar, por exemplo, como seria o desempenho financeiro caso o governo não tivesse autorizado o aumento dos combustíveis – com grande atraso e insuficiente para evitar novas perdas.

Mas dois dos fatores apontados pela empresa merecem exame separado. A venda de ativos, que obviamente resulta na redução do patrimônio, engordou o caixa da empresa em R$ 8,5 bilhões. Isoladamente, essa operação respondeu por nada menos do que 36% do lucro. Sem ela, o lucro teria sido de R$ 15,1 bilhões.

Outro fator decisivo para assegurar o lucro contabilizado pela Petrobrás em 2013 foi aquilo que a empresa designou como contabilidade de hedge, referência à operação utilizada para proteção contra variações cambiais. Em julho do ano passado, a Petrobrás anunciou que passaria a diluir ao longo de sete anos parte do prejuízo causado pela variação cambial na sua dívida externa. Com isso, seus resultados serão maiores no presente e, consequentemente, maiores serão também os dividendos que ela repassará para o Tesouro. É um procedimento legal e, no caso da estatal, de grande impacto sobre seus resultados. Em seu balanço, a Petrobrás reconhece que a nova prática lhe permitiu reduzir em R$ 12,9 bilhões os impactos da valorização de 15,7% do dólar ao longo do ano passado.

Sem o efeito desses dois itens, o resultado seria um lucro bem menor, de R$ 2,2 bilhões. Já a dívida da empresa não foi afetada por isso, razão pela qual cresceu 49,9% no ano passado, tendo chegado a R$ 221,6 bilhões, 3,5 vezes a capacidade de geração de caixa.

Tendo sido obrigada pelo governo do PT, desde a gestão Lula, a concentrar os investimentos no pré-sal, a Petrobrás perdeu eficiência na atividade de produção das áreas já exploradas (o que fez cair a produção média para 1,931 milhão de barris por dia, 2,5% menos do que produzia em 2012) e não ampliou sua capacidade de refino, o que a força a importar derivados para atender à demanda interna crescente. Como importa a preços de mercado e vende internamente de acordo com os preços controlados pelo governo, ela vem acumulando prejuízos na área de abastecimento (no ano passado, essa área teve prejuízo de R$ 17,8 bilhões).

O novo plano de investimentos para os próximos cinco anos é mais realista do que o anunciado no ano passado, pois diminuiu de US$ 236,7 bilhões para US$ 220,6 bilhões. Mas o corte principal será feito justamente na área de abastecimento (fonte de elevado prejuízo operacional por falta de capacidade de refino), preservando-se os investimentos no pré-sal.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s